quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Livro sugere a traição como a chave para um casamento feliz

Monogamia pode não ser a resposta para um casamento feliz (Foto: iStock) 


O novo livro da cientista social Catherine Hakim traz à tona um assunto no mínimo polêmico, tanto para homens quanto para mulheres. "The New Rules: Internet Dating Playfairs and Erotic Power" ("As novas regras: namoro pela internet, ‘playfairs’ e o poder erótico") traz em suas páginas a teoria de que ter um caso extraconjugal pode, na realidade, ser a chave para melhorar o relacionamento a dois. 

Para quem se perguntou o que significa a palavra ‘playfairs’ no título da obra, o termo diz respeito aos novos tipos de casos amorosos mediados pela internet, típicos do século 21. Esse tipo de interação, segundo o livro, pode ser a solução para os altos índices de divórcio (observados principalmente na Grã Bretanha e nos Estados Unidos).

Hakim chega a comparar o sexo extraconjugal a uma refeição em um restaurante. “Apesar de, na maioria das vezes, nos contentarmos em comer em casa com nossos companheiros e companheiras, nada nos impede de fazer algumas refeições em restaurantes com diferentes culinárias e ambientes, na companhia de amigos e colegas”, explica ela.

“Qualquer pessoa que rejeita uma nova abordagem para casamento e adultério, com uma nova gama de regras regendo esses tipos de relacionamento, não reconhece os benefícios de uma vida sexual revitalizada e fora de casa”, completou Hakim, sobre sua teoria.

Catherine ainda diz que a idade média para o adultério é de 45 anos para as mulheres e de 55 anos para os homens. A cientista, no entanto, não aconselha os amantes a deixar o traído ou a traída descobrir sobre o caso. Ela garante que a primeira regra para ter um relacionamento fora do casamento é nunca sequer iniciá-lo se ele corre o risco de exposição.

A escritora , contudo, não foi pioneira em suas ideias. Outros sociologistas já defenderam traição e casamentos abertos antes, mas muitas pessoas já testemunharam também as consequências negativas que esse tipo de situação trouxe para relacionamentos. Alguns grupos de sociologistas e teóricos ainda acreditam que o impulso de trair é natural para o sexo masculino, sendo parte de sua natureza e inevitável, não importa o quanto o indivíduo ame sua parceira. Para eles, os homens separam o relacionamento físico do afetivo, sendo possível trair com o corpo sem trair com o coração.

O tema ainda é muito polêmico e depende da opnião pessoal e da dinâmica de cada casal. Então, cabe a cada um responder a pergunta de acordo com suas próprias crenças e convicções: o adultério é realmente o segredo para um casamento feliz?



Por Laura Bugelli